Conta de luz: como funciona a bandeira tarifária?

Nesta terça (29), a Aneel aprovou o novo valor da bandeira vermelha – 2. Entenda como funciona a cobrança da conta de luz

analise de credito

Nesta terça-feira, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou o reajuste na bandeira tarifária vermelha patamar 2 – cobrança adicional aplicada às contas de luz realizada quando aumenta o custo de produção de energia. A cobrança extra passou de R$ 6,24 para R$ 9,49 a cada 100 kWh consumidos – alta de 52%.

Mas você sabe como funciona a cobrança da sua conta de luz a partir da bandeira tarifária?

Desde o ano de 2015, as contas de energia passaram a trazer uma novidade: o Sistema de Bandeiras Tarifárias, que apresenta as seguintes modalidades: verde, amarela e vermelha –   as mesmas cores dos semáforos –  e indicam se haverá ou não acréscimo no valor da energia a ser repassada ao consumidor final, em função das condições de geração de eletricidade. Cada modalidade apresenta as seguintes características:

Bandeira verde – Condições favoráveis de geração de energia. A tarifa não sofre nenhum acréscimo;

Bandeira amarela – Condições de geração menos favoráveis. A tarifa sofre acréscimo de R$ 0,01343 para cada quilowatt-hora (kWh) consumidos.

Bandeira vermelha – Patamar 1 – Condições mais custosas de geração. A tarifa sofre acréscimo de R$ 0,04169 para cada quilowatt-hora kWh consumido.

Bandeira vermelha – Patamar 2 – Condições ainda mais custosas de geração. Antes, a tarifa sofre acréscimo de R$ 0,06243 para cada quilowatt-hora kWh consumido. Agora, a cobrança passou de R$ 6,24 para R$ 9,49 a cada 100 kWh consumidos.

Todos os consumidores cativos das distribuidoras serão faturados pelo Sistema de Bandeiras Tarifárias, com exceção daqueles localizados em sistemas isolados.

Abaixo, veja como é distribuído o valor adicional.

Crédito: Aneel