Por que o preço do Playstation 5 pode chegar a R$ 5 mil?

Foi um tremendo sucesso. Em menos de um mês após seu lançamento, o Playstation 5, videogame de última geração da Sony, chegou ao Brasil por R$ 4,5 mil na versão sem leitor de Blu-Ray, e R$ 5 mil no modelo mais completo, e simplesmente desapareceu dos principais varejistas do mercado brasileiro. Ou seja, o preço, […]

Foi um tremendo sucesso. Em menos de um mês após seu lançamento, o Playstation 5, videogame de última geração da Sony, chegou ao Brasil por R$ 4,5 mil na versão sem leitor de Blu-Ray, e R$ 5 mil no modelo mais completo, e simplesmente desapareceu dos principais varejistas do mercado brasileiro. Ou seja, o preço, aparentemente salgado, não foi um impeditivo para o consumidor brasileiro. Mas, convenhamos, o valor é justo?

Em algumas redes, as poucas unidades que sobram são vendidas a valores muito altos, chegando a R$ 10 mil. Agora, com as festas de final de ano batendo à porta, para adquirir uma plataforma de nova geração, jogadores passam por sufocos.

De acordo com Carlos Schmiedel, CEO da Predify — um software de precificação inteligente —, a expectativa pelo lançamento do novo console impulsionou a grande adesão, mesmo com o preço alto.

“Quando um cliente percebe um valor alto no produto, fica mais propenso a pagar mais caro por ele. A Sony tem excelentes estratégias para agregar mais valor às suas marcas aqui no Brasil, então acredito que isso também contribua para a disposição de compra dos brasileiros, apesar do preço alto”.

O especialista explica que não é possível afirmar com convicção se a precificação do Playstation é ou não justa, já que a “Sony não divulga o preço de custo de seus produtos vendidos para distribuidores locais”.

“Supondo que o custo do produto represente 30% do preço e que outros 52% são impostos, e estimando um custo de venda na casa de 5%, a margem de lucro para esses produtos estaria na casa de 13%. É claro que esses cálculos são apenas estimativas. Mas mostra que margem do distribuidor não é muito alta”, cotinua Schmiedel.

De acordo com o CEO da Predify, não há como fugir do preço alto sem reduzir a alta tributação sobre os produtos importados. “A melhor forma de baixar os preços desses produtos seria flexibilizar a carga tributária sobre eles”, finaliza.