Parlamentares lançam Frente da Telessaúde para efetivar setor no Brasil

Comissão na Câmara foi formada nesta quinta-feira (26) durante evento realizado por meio de videoconferência.

Foi lançada nesta quinta-feira (26) a Frente Parlamentar da Telessaúde, com a assinatura de mais de 200 deputados e sete senadores. A comissão pretende debater a implementação efetiva, em todo o território brasileiro,  da prestação de serviços de saúde à distância por meio de startphones ou computadores, além de discutir outros temas relacionados às tecnologias e inovações na saúde.

Com a pandemia de Covid-19 e o isolamento social, a telessaúde, que já era um pleito antigo do setor, superou as adversidades e evidenciou a necessidade de efetivar inovações que auxiliem no atendimento da população sem que pacientes ou profissionais da saúde corram riscos.

Para Adriana Ventura (Novo-SP), presidente da Frente da Telessaúde, a tecnologia vai melhorar e ampliar o acesso da população à saúde. “O uso da telessaúde tem o poder de garantir que muitas pessoas continuem tendo o atendimento médico, à distância, e aquelas que não têm nenhuma assistência passe a ter, democratizando o acesso à saúde”, argumenta a deputada, autora da Lei nº 13.989 – que homologou o uso da telemedicina durante o estado de calamidade pública.

Entidades

Ao todo, 27 entidades profissionais de saúde no Brasil são apoiadoras do projeto e irão colaborar com os debates relacionados ao tema.

Segundo Eduardo Amaro, presidente do Conselho de Administração da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), o setor de telessaúde foi fundamental durante o período mais crítico da crise sanitária.

“A telessaúde foi uma aliada fundamental neste momento de pandemia. Mesmo sem uma regulamentação adequada, o setor se mobilizou, se adaptou e foi capaz de oferecer os serviços e de dar continuidade ao atendimento à população. Esse é um caminho sem volta e é uma evolução que precisa acontecer”, defende Eduardo Amaro.