Febraban divulga os primeiros números das transações pelo PIX

Em live com jornalistas, entidade afirmou que o número de transações no PIX superaram as expectativas. Febraban admitiu alguns problemas

Os primeiros números de transações pelo PIX, sistema de pagamento instantâneo, superaram as expectativas da entidade patronal dos bancos, a Febraban. Em uma live realizada no último dia 9 com jornalistas, a entidade registrou cerca de 57 mil transações nas primeiras 24 horas de funcionamento da novidade (entre os dias 5 e 6 de novembro).


Quer saber mais sobre o assunto?

Clique AQUI e leia a reportagem especial sobre o PIX na revista Consumidor Moderno


Na avaliação do diretor de inovação, produtos e serviços bancários da Febraban, Leandro Vilain, o resultado foi positivo, apesar do registro de alguns problemas operacionais. Ele citou o caso de um banco que não reconheceu a agência de um concorrente bancário por causa de alguns números zeros à esquerda. No entanto, isso foi corrigido em menos de 30 minutos.

TED, DOC e boleto

Um assunto que dominou a coletiva foi o impacto do PIX dentro do negócio bancário. Segundo o presidente da Febraban, Isaac Sidney, a novidade tecnológica não deverá causar impactos significativos na receita dos bancos.

Hoje, segundo ele, 60% das contas transacionais no Brasil estão isentas de tarifas e comissões. Além disso, para uma parcela significativa dos demais 40%, o cliente não paga ou as transações estão incluídas em um pacote em decorrência de um longo histórico de relacionamento com a instituição financeira.

Outro questionamento à entidade foi o possível fim do TED, DOC ou boleto a partir do PIX. Para Sidney, não há risco disso ocorrer por enquanto. “Não acredito que o Pix vai acabar com TEDs e DOCs, assim como não acabou o uso de dinheiro e cheque quando o TED e o DOC surgiram. E estes não acabaram quando veio o cartão de crédito e de débito. Enfim, boletos, TEDs, DOCs e pagamento em dinheiro continuarão sendo usados para finalidades distintas”, analisou.