Smartwatches: Idec questiona aquisição pela Google

Como os relógios inteligentes captam muitos dados ligados à saúde de seus usuários, existe uma problemática em sua associação com a Google

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) enviou uma representação ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) pedindo uma investigação da compra da FitBit, empresa fabricante de relógios inteligentes (smartwatches) pela Google.

A representação faz parte de uma iniciativa internacional para avaliação dos impactos da operação na casa dos US$ 2 bilhões.

Como os relógios inteligentes captam muitos dados ligados à saúde de seus usuários, já que este monitoramento é uma de suas funções mais desejadas, existe uma problemática em sua associação com a Google, gigante da tecnologia que, inerentemente, já está presente nas vidas profissional e pessoal da grande maioria dos habitantes conectados do planeta.

Com o acesso à informação, a Google poderia alavancar sua posição no mercado de saúde e ainda fortalecer ainda mais sua presença na publicidade online e nos mecanismos de busca.

Outro questionamento feito pelo Idec é sobre o que aconteceria se um consumidor da FitBit não desejasse ter seus dados incorporados à Google.

“É provável que existam impactos negativos para os consumidores no longo prazo. Sem uma análise prévia da operação, será difícil reverter os danos, já que as bases de dados das empresas já estariam interligadas”, explica a pesquisadora em telecomunicações e direitos digitais do Idec, Bárbara Simão.