Planos de saúde perdem clientes com pandemia

ANS aponta queda no número de clientes de planos de saúde entre abril e maio, de 283 mil usuários, o que representa 0,6% de queda, mas considera estável

plano de saúde

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) divulgou nesta terça-feira,  7, um balanço que indica queda no número de clientes de planos de saúde entre abril e maio. Ao fim do quinto mês de 2020, eram 46,829 milhões de consumidores de operadoras de saúde suplementar, ante 47,113 milhões ao fim de março. A baixa, portanto, foi de 283 mil clientes, o que representa 0,6% de queda.

Apesar de indicar um desfalque, a ANS avalia que os números não trazem um cenário brusco ou fora dos padrões. “No geral, o setor manteve a tendência de estabilidade, com pequenas oscilações em relação aos meses anteriores”, afirmou o órgão regulador em nota divulgada à imprensa.

Embora a posição de maio seja a com menor número de clientes em 2020, durante todo o ano o número ficou em torno dos 47 milhões. Em maio do ano passado, inclusive, os contratantes de planos de saúde no país eram 46,956 milhões.

Outro indicador de que a pandemia não afetou tanto os clientes de plano de saúde é o de que o número de contratantes já vem numa tendência de queda desde 2015, ano que abriu com quase 50,5 milhões de usuários.

PLANO PRESERVADO

Embora a crise econômica naturalmente force os consumidores a cortarem custos, o fato de estar relacionada a uma crise sanitária, acaba retendo os clientes de saúde suplementar. Com a pandemia, os gastos com saúde tendem a ficar entre os últimos a sofrerem cortes.

A priorização dos planos da saúde foi ainda mais favorecida depois do alto índice de ocupação de leitos em grande capitais do País e da inclusão, por parte da ANS, do tratamento contra o coronavírus em seu rol de procedimentos.

Recentemente, a agência reguladora incluiu também os testes para identificação da Covid-19 na lista das operadoras, quando o contratante apresente sintomas como síndrome gripal ou respiratória.