Operadoras “driblam” leilão e antecipam 5G no Brasil

Depois da Claro, Vivo anuncia que disponibilizará tecnologia em oito capitais antes mesmo da concessão de frequências pela Anatel

5G

A Telefônica Brasil, responsável pela Vivo, anunciou na quarta-feira, 15, que irá ativar o sinal de internet com tecnologia 5G a partir do dia 24. Começará em oito capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Salvador, Goiânia, Curitiba e Porto Alegre.

A Claro, que já havia testado o 5G na semana passada, prometeu operar inicialmente apenas nas duas maiores cidades do País. A companhia promete uma cobertura de bairros maior do que a da Vivo.

 TECNOLOGIA 5G

A tecnologia 5G refere-se à quinta geração de internet móvel e promete ser uma revolução se comparada com o 4G, oferecendo velocidades de conexão no mínimo dez vezes mais rápidas. Isso deve abrir caminho para implantar um alto índice de integração dos mais diversos aparelhos com a internet e permitir um tráfego de dados muito mais intenso do que o atual.

O Brasil, contudo, já reservou mas ainda não concedeu uma faixa de frequências de ondas para a nova tecnologia. O leilão do 5G, previsto para 2021, irá determinar quais empresas poderão operar a tecnologia em cada espectro, sem interferir em outros serviços de telecomunicação.

Um passo importante dado no mês passado foi a consolidação, por parte da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), dos parâmetros mínimos para que um serviço oferecido fosse considerado “5G”, para evitar o que aconteceu com o 4G, em que diversas tecnologias com diferentes padrões técnicos foram colocadas sob uma mesma categoria.

DRIBLE

Apesar de o leilão das frequências ainda não ter sido realizado, Vivo e Claro irão disponibilizar a nova tecnologia por meio de um atalho: as frequências e a infraestrutura utilizadas serão as mesmas em que o 4G opera. O seja, há apenas uma substituição parcial do serviço atual, sem utilizar os espectros que estão para serem leiloados.

POLÊMICA COM A HUAWEI

A rede que será usada pela Claro foi construída em parceria com a Ericsson, empresa sueca de tecnologia em comunicações. Já a rede da Vivo tem participações tanto da Ericsson como da chinesa Huawei, que está envolvida em uma série de polêmicas nos Estados Unidos e na União Europeia. A implantação dos sistemas da empresa sofre desconfianças por conta de eventuais relacionamentos da companhia com o governo da China.

A Huawei tem interesse no leilão do 5G no Brasil, mas existe a possibilidade de ser barrada, especialmente se os governos de Brasil e Estados Unidos permanecerem alinhados politicamente.

USO LIMITADO

Apesar da implantação da tecnologia, apenas um aparelho comercializado no Brasil está preparado para atuar com o 5G: o Motorola Edge.