Brasileiros relatam aumento no custo de vida no isolamento

Estudo da consultoria Ipsos mostra que brasileiro sentiu no bolso os gastos com itens básicos, como alimentação e limpeza

custo de vida

Mesmo com as medidas de confinamento e isolamento social, que em tese deveriam reduzir os gastos básicos, a percepção do consumidor brasileiro foi a de que o custo de vida durante a pandemia ficou, em geral, mais caro. Segundo um estudo mundial realizado pela consultoria Ipsos, 60% dos brasileiros relataram ter gastado mais com alimentos, produtos e serviços para si e para a família durante a pandemia.

Os números mostram que a percepção de aumento ou diminuição de gastos do brasileiro é similar à média global. Além dos que viram o dinheiro render menos nos últimos meses, 29% acreditam que os custos são os mesmos durante a pandemia e apenas 12% perceberam diminuição dos custos.

Os gastos com supermercado puxaram a lista, principalmente as compras de itens básicos, como alimentos e produtos  de higiene e limpeza. Dos entrevistados, 65% disseram ter gastado mais com esses itens, contra apenas 6% que disseram ter economizado.

Outra categoria em que grande parte dos entrevistados relatou aumento foi a de contas fixas básicas, como água, energia elétrica e gás, cujas despesas aumentaram para 46% dos participantes.

Por outro lado, duas categorias se destacaram pela retração nos custos durante a pandemia: 35% dos brasileiros entrevistados disseram ter economizado com transporte durante a pandemia, enquanto 34% pouparam os recursos destinados à compra de roupas, sapatos e acessórios.

CONSUMIDORES DE 26 PAÍSES

A pesquisa foi realizada com 18 mil entrevistados em 26 países, mil deles no Brasil,  entre 22 de maio e 5 de junho, e tem margem de erro de 3,1 pontos percentuais.

Em tese, as medidas de isolamento social deveriam reduzir  os gastos em geral, já que transporte e entretenimento praticamente minguaram, além de a alimentação em casa ser tradicionalmente mais barata que em restaurante.

Contudo, o estudo revela outra face do comportamento do consumidor: a geração de novas demandas com as circunstâncias impostas.

É importante ressaltar que a pesquisa trata da percepção dos consumidores em relação ao custo de vida, o que não necessariamente vai de encontro com a variação de gastos real.

O índice Nacional de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA), medido pelo IBGE, por exemplo, acelerou 0,26% em junho após duas deflações seguidas: de -0,38 em maio e -0,31% em abril. O IPCA é o índice que mede a inflação oficial do Brasil.