Comércio online tem primeira queda na pandemia, mas segue em alta

A terceira semana de maio registrou retração do e-commerce em 5,1%, segundo levantamento da Nielsen; comparadas com janeiro, vendas são 43% maiores

As vendas por meio de plataformas digitais, que explodiram no Brasil com a pandemia do coronavírus, registraram na terceira semana de maio a primeira queda depois do início da crise sanitária. O desempenho do comércio eletrônico caiu 5,1% em relação à semana anterior, de acordo com estudo divulgado pela consultoria Nielsen.

Apesar do leve recuo, as vendas por meio da internet continuam em alta. Mesmo com a retração instantânea, o volume de compras digitais na terceira semana de maio foi 42,9% maior do que no fim de janeiro, por exemplo.

Os produtos de alto consumo, ou de giro rápido, mantiveram-se estáveis e ajudaram a amaciar a baixa do período analisado. As bebidas alcoólicas, com incrível aumento de 65% da demanda, foram o grande destaque das lojas virtuais.

De acordo com a Nielsen, a expectativa é boa para junho, em função do Dia dos Namorados, que no ano passado foi a sexta data mais importante para o varejo eletrônico brasileiro. Em 2019, os produtos mais procurados na data foram celulares, livros, TV’s, blusas femininas e vinhos.