“Radar do Consumidor” monitora e reúne orientações de entidades de defesa

Portal colaborativo tem o objetivo de empoderar e facilitar o acesso às medidas tomadas por órgãos como os Procons do país

Com a pandemia do novo coronavírus, apareceu diante do consumidor um mar de dúvidas em relação a seus direitos e deveres, já que a interrupção de atividades cotidianas e as dificuldades econômicas interferem diretamente tanto na prestação de serviços e no fornecimento de produtos como na própria capacidade de pagamento dos usuários.

Pensando nisso, foi criado o projeto “Radar do Consumidor”, idealizado pela ex-diretora do Procon Porto Alegre e atual assessora parlamentar, Sophia Vial. De maneira geral, o portal reúne as mais diversas notas técnicas e orientações gerais sobre os direitos do consumidor no país, emitidas por Procons estaduais e municipais, além de entidades nacionais vinculadas às relações de consumo.

“Essa situação de emergência acaba gerando muitas notas técnicas de entidades diferentes. Acredito que seja importante, tanto para o consumidor como para os profissionais da área, a informação de como cada órgão de cada localidade está agindo em relação a determinado tema”, explicou Vial ao O Consumerista.

Sophia Vial, ex-diretora do Procon Porto Alegre e atual assessora parlamentar. Crédito: Arquivo pessoal

 

Mais de 50 notas técnicas

O “Radar do Consumidor” já reúne cerca de 50 notas técnicas e pareceres por meios tradicionais, além de outras orientações por vídeo, por exemplo. É possível selecionar todos os estados da federação, além do Distrito Federal, e verificar as medidas tomadas por cada Procon regional ou municipal. Até o momento, o estado do Amapá é o único não contemplado em função de problemas gerados pela Covid-19.

Além disso, é possível acessar orientações nacionais de órgãos como Senacon, Cade, MPCon, MPF, Condege, Idec e o próprio ProconsBrasil.

O projeto funciona de maneira colaborativa, contando com a informação distribuída pelos órgãos e também de quem possui conhecimentos ligados às relações de consumo.

“Desde o começo, os dirigentes de Procons têm enviado notas e mantido o conteúdo do ‘Radar’ atualizado. Pedimos também para aqueles que possam fomentar a disseminação das informações que colaborem com o portal. Às vezes, órgãos como os Procons dificultam o acesso às orientações, não por vontade própria, mas pela má organização do conteúdo”, comenta a idealizadora.

Embora o “Radar” esteja ligado inicialmente a diretrizes relacionadas à pandemia, o objetivo de Vial é que ele continue depois da crise, servindo como uma plataforma colaborativa entre as entidades de defesa do consumidor.

Home do site “Radar Consumidor”. Crédito: Reprodução